13 março, 2006

concomitâncias

Image hosting by Photobucket
© 2006

7 Comentários:

Anonymous guevara disse...

do Lat. concomitantia


s. f.,
qualidade do que é concomitante;

simultaneidade;

coexistência;

união.


porquê?

13 março, 2006 01:35  
Blogger MOLOI LORASAI disse...

do Lat. concomitantia


s. f.,
qualidade do que é concomitante;

simultaneidade;

coexistência;

união.


porquê?

GUEVARA DEVE SER UMA DOUTORA EM FILOSOFIA DA ARTE E NAO UMA ARQUITETA

13 março, 2006 02:26  
Blogger MOLOI LORASAI disse...

duas concomitancias na minha humilissima visao a menina e o desenho no chao em movimento e o que e fotografado e quem fotografa

13 março, 2006 02:30  
Blogger francisco carvalho disse...

querida Guevara, sem tempo agora, mais logo respondo.
Moloi, filósofo por natureza, já acertou. mas há mais.
;)

13 março, 2006 09:30  
Blogger MOLOI LORASAI disse...

CLARO
ha mais coisas entre o ceu e a terra do que a van filosofia de Moloi

13 março, 2006 11:23  
Blogger francisco carvalho disse...

(especialmente para a Guevara)

como ainda hoje ouvi à Agustina, também eu quando escrevi este título não foi para o explicar, até porque são sempre muito tortuosas as motivações de qualquer cria-dor...

porquê concomitâncias? vamos lá, então, tentar sistematizar o
que me terá passado pela cabeça...

1. a união de duas imagens, claramente tentando torná-la uma
só. a ligação de dois instantes que não foram mas podiam ter sido
simultâneos. como se pudesse também ter sido eu a fotografar a
criança que corria e o homem que a fotografava. como se naquele
exacto momento, pudesse estar fora de mim para poder abarcar
num só plano todos os planos.
num só instantâneo todas as
dimensões desse instante.
2. o corpo da rapariga a correr, como que correndo para o grafito
que parecia também em movimento.
o movimento parado e o estático a parecer mover-se.
3. uma criança em todo o seu fulgor físico, em vitalidade plena.
ao mesmo tempo, a sombra estendendo-se para o grafito, cuja
mensagem alerta para os perigos das doenças cardiovasculares,
com uma frase lapidar: "não seja a próxima vítima". a mensagem do grafito como uma sombra sobre mim? crescendo dentro de mim? tenho que começar a correr regularmente?
uma filha a nascer para a alegria da vida. do outro lado, um pai
algo assombrado, ensombrado por pensamentos sobre o tempo que lhe poderá restar de vida. nada de muito grave.
apenas ideias-relâmpago. ideias como se fossem flashes disparados por uma máquina fotográfica.
4. poderia acrescentar uma ou outra concomitanciazinha ainda.
as circunstâncias concomitantes que estão fora de campo.
que só eu poderia saber delas:
uma visita a casa de um músico amigo que foi também uma espécie de passeio em redor da Casa da Música.
ou ainda, por ilusão de perspectiva, uma criança fixada e isolada em corrida quando, em volta, a área estava muito concorrida...
5. tudo isto me afluiu, mais ou menos concomitantemente, com
maior ou menor peso, na hora de escolher um título para o post.
um título que para mim dissesse tudo; ou melhor, que no futuro
pudesse vir a ser o despoletador capaz de me trazer à memória,
da maneira mais precisa, os instantes outrora vividos, fotografados,assim sublimados.
mas um título, porém, que - como o tento muitas vezes - escondesse, intrigasse, deixasse em aberto, fosse capaz de provocar quem me lê, quem me vê.

espero ter-me feito entender.
;)

14 março, 2006 00:56  
Anonymous guevara disse...

:D

nao era preciso tanto...

1. nao sabia o que queria dizer concomitâncias
2. sem saber a fundo o significado, foi mais dificil 'deduzir' o post.
3.obrigada!

14 março, 2006 19:06  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial