05 março, 2006

no fim do M

Image hosting by Photobucket
© 2006

ontem comovi-me a ouvir esta música. muito a sério.
(quem sabe, me perdi também, descobrindo meu fado?)
é um privilégio poder ver crescer uma canção, desde a sua raiz.
meus olhos ficaram bem perto das lágrimas.

Moloi é um ilustre desconhecido, eu sei, mas tenho prazer e até
um certo orgulho em trazê-lo tão bem acompanhado no meu ipod.
as suas composições não desmerecem tais parceiros.
pelo menos no osso, na pura essência da sua estrutura, sem a
sombra de qualquer sofisticado arranjo.
quem sabe, um dia, alguém não descobre as raizes mais fundas
das suas canções, e possa resgatá-las, iluminá-las assim para o
mundo.

não o digo apenas como amigo:
no seu melhor, ele faz música popular profunda.
ao mesmo tempo, sagrada e profana.
sem medo do humor, dos labirínticos medos do amor.
música simples, complexamente humana.
música muito simples.
como o devem estar a fazer muitos outros anónimos artistas,
por esse tão vasto mundo fora.

assim nasceram muitos sambas no morro,
nas favelas de muita vidas.
muitos fados de raiz.

6 Comentários:

Blogger Patrícia Nogueira disse...

Moloi é um ilustre desconhecido,bem conhecido na nossa blogosfera.

05 março, 2006 16:10  
Blogger MOLOI LORASAI disse...

Se não fosse a Patrícia, seriam zeros comentários! Por favor Francisco, não repita isto.

05 março, 2006 16:28  
Blogger francisco carvalho disse...

eu acrescento mais um comentário:
vamos com calma!
;)

05 março, 2006 19:22  
Blogger guevara disse...

quatro comentários!

Viva Moloi!

05 março, 2006 20:37  
Blogger MOLOI LORASAI disse...

A Che (Claudia Helena Erédia) é uma das bloguianas com mais conteúdo que conheço. Seus comentários tem a graça de uma garça. Gostei, Che!

05 março, 2006 21:16  
Anonymous Anónimo disse...

Agora fiquei curioso acerca do som "no fim do M"

07 março, 2006 11:30  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial