27 agosto, 2007

dizer

é nas planuras de céus distantes que me cantarei
vagamundo.
é nas agruras do amor terreno que algum deus em mim
venha talvez a sorrir.
é na doçura de palavras raras que tatuarei seu corpo.

1 Comentários:

Blogger Silvia Chueire disse...

Gosto do poema. Muito. E de tantos outros textos do blog. Parabéns, Francisco!

Abraço grande,
Silvia

30 agosto, 2007 13:53  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial