15 fevereiro, 2007

antecipando o carnaval



(...) "O corso de carros abertos acabou na década de 40. Os
bondes, em cujos estribos os foliões se penduravam aos cachos,
foram desactivados nos anos 60. As marchinhas também foram
sumindo, sumindo e sumiram - há décadas que ninguém as com-
põe (se compõem, ninguém toma conhecimento e só se tocam as
marchinhas antigas). Os bailes dos clubes e hotéis continuam, mas
perderam em criatividade o que ganharam em espetacular grossu-
ra. Batalha de confete? Nem pensar - confete e serpentina ficaram
para as crianças e, mesmo assim, porque as mães as obrigam. O
próprio Rei Momo, recentemente, teve de emagrecer por ordem
do prefeito. E as fantasias tradicionais sumiram de cena - hoje, se
um pierrô e uma colombina forem vistos aos beijos numa rua do
Rio durante o Carnaval, pode apostar: são dois pierrôs. Mas o que
feriu mesmo o Carnaval, e há muito tempo, foi a revolução sexual.
Com toda a sua euforia transgressora, ele dependia de uma certa
inocência, o que haveria para transgredir? E inocência foi o que o
mundo mais perdeu a partir da década de 60. O Carnaval viu-se
subitamente dispensável como pretexto para a esbórnia [farra,
orgia*]. Suas grandes atracções, como os beijos roubados na mul-
tidão, a sensualidade suada nos salões e nas ruas, a comunhão de
mãos e carnes acima e abaixo do umbigo, as fantasias de árabe
sem cueca por baixo, os bailes que se prolongavam a dois ou a
quatro nos apartamentos - tudo isso era pinto [não oferecia gran-
de dificuldade*] comparado ao que a classe média passou a fazer,
sem problemas e sem culpas, durante todo o ano. A própria nudez
esvaziou-se. Quem queria saber de uma perna saindo de um sa-
rongue ou de um par de seios entrevisto de relance se tinha à vista
um milhão de biquínis nas praias num domingo de Verão? E o que
era a ousadia das garotas no baile do High Life diante da liberação
de uma geração inteira de moças? O Carnaval perdera o sentido.
Parecia o fim de uma longa e linda tradição do Rio.
E, então, enquanto os saudosistas olhavam para ontem e suspira-
vam, as escolas de samba tomaram conta do pedaço - e, a partir
de 1970, salvaram o Carnaval." (...)

(em "Rio de Janeiro - Carnaval no fogo" de RUY CASTRO)

(*conforme notas do editor)

6 Comentários:

Anonymous calango lírico disse...

!

15 fevereiro, 2007 12:13  
Anonymous Anónimo disse...

abraço....


sem máscara.



Y.

15 fevereiro, 2007 19:59  
Blogger feniana disse...

e estas tuas músicas silenciosas...

15 fevereiro, 2007 22:23  
Anonymous calango caligráfico disse...

o Rui Castro deveria ter a obrigação de escrever bem, pois só os escritores e poetas apenas escrevem.

15 fevereiro, 2007 23:23  
Blogger Silvia Chueire disse...

Este comentário foi removido pelo autor.

18 fevereiro, 2007 14:53  
Blogger Silvia Chueire disse...

Não apenas as escolas de samba. De algum modo o Carnaval que evoluiu do que era espontâneo nas ruas para a organização das escolas de samba e para os salões de clubes de classe média, a partir da década de 70 e mais fortemente de 80,cresce nas bandas de rua, cuja precursora é a Banda de Ipanema e vem se fortalecendo mais e mais ou seja: carnaval de rua, de volta à espontaneidade ( não à inocência, decerto). Hoje o Rio de Janeiro tem mais de 300 bandas nos bairros, nas quais saem pelas ruas, dançando , milhares de pessoas de todas as idades e classes sociais. E, tipicamente cariocas, com os nomes mais originais e engraçados, beirando ( senão já lá) o pornográfico. Vejam : Simpatia é Quase Amor, Rola Preguiçosa, Suvaco do Cristo ( esta no Jardim botânico, logo abaixo do Cristo Redentor),Que Merda é Essa? , Vem Ni Mim que Eu Sou Facinha, Azeitona Sem Caroço, e por aí vai...

18 fevereiro, 2007 14:58  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial