20 agosto, 2006

deriva

no corpo desagua uma dor
ignota
uma dor sem desesperos

o horizonte como linha
nostálgica que nos arruma
o passado

o horizonte é uma finta
perfeita
que me lembra o coração
sem rumo

no corpo a ilhota
do sexo
sem esperança
ador
mece após
o choro sobressal
tado

apogeu após
tata

o orgasmo como lugar
de morte
uterina invocação
do mar

2 Comentários:

Blogger MOLOI LORASAI disse...

preciso de um eletrochoque!

20 agosto, 2006 17:46  
Blogger Mendes Ferreira disse...

o mar. como dono absoluto.
na deriva do dizível. sobrevoável.
sentível.



____________
belo.



bjo.

20 agosto, 2006 19:05  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial