13 fevereiro, 2008

A Simplicidade

de Henri Michaux

"O que sobretudo faltou à minha vida, até agora, foi a simpli-
cidade. Começo a mudar, a pouco e pouco.
Agora, por exemplo, saio sempre de casa com a minha cama,
e quando uma mulher me agrada, pego-lhe e vou para a cama
com ela de seguida.
Se tem orelhas feias e grandes, ou então o nariz, tiro-lhos
com a roupa e meto-os debaixo da cama; depois ela encontra-os
ao sair. Só fico com o que me agrada.
Se eu vir que ela fica melhor com outra roupa interior, mudo-a
logo. Será o presente que lhe ofereço. Se, no entanto, vejo outra
mulher mais interessante a passar, peço desculpa à primeira e
faço-a desaparecer imediatamente.
Pessoas que me conhecem acham que não sou capaz de fazer o
que aqui deixo escrito, que não tenho suficiente temperamento.
Eu também pensava assim, mas isso era por causa de não fazer
tudo tal como me agradava.
Agora, passo sempre umas tardes agradáveis. De manhã,
trabalho."

(retirado de "As Minhas Propriedades", Fenda Edições, 1988)

4 Comentários:

Blogger Claudette Guevara disse...

1988?
É intemporal.

Faz-me lembrar muitas outras histórias. Relatos do dia-a-dia. Cenas de todas as horas, por aqui e por ali. Numa esquina perto de mim.

Simplicidade... pois bem.

14 fevereiro, 2008 01:15  
Blogger francisco carvalho disse...

Claro que é intemporal. Foi publicado em 1925, imagina lá!
(a edição da Fenda é que é de 88)

Michaux é grande , grande. Um dos autores da minha vida, ainda que conheça muito pouco da sua obra...

beijos

14 fevereiro, 2008 01:23  
Blogger isabel mendes ferreira disse...

simples.
simplesmente.



.


assim.


um autor enorme.


e um beijo.
F.

14 fevereiro, 2008 16:27  
Blogger Mónica (em Campanhã) disse...

e alucinante

16 fevereiro, 2008 18:15  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial