20 setembro, 2007

horas tardias

(para Isa.)

podia dizer que já não corro,
que pouco falta para estar morto,
mas tudo é afinal logro
e até escrever assim de jorro
mais parecerá juvenil choro...
também não fujo,
nem sequer me sujo.
cobarde iluminado na sombra
de tardias horas,
o sorriso talvez plácido.
corsário agora
de todos os afectos.
(faço-me na vida fácil).

alimento-me das horas tardias.
pão sagrado. iniciático.
tumulto de sangue. lava.
rio
de toda a palavra.
sonhar as mãos acesas
sobre o piano
calado. espelho negro
da noite mais funda.

na luz precisa
das horas tardias
teus humores e segredos.
tuas flores e teus fulgurantes
cabelos.
o corpo altivo
corola de todas as escritas
livro de toda a palavra.
tua voz doce labareda
divina.
purpúreo
instinto. a carne
da poesia é tua divisa.
feminino paraíso.

pelas horas tardiamente
amanhecidas
aportarás no avesso do silêncio
livre de toda a palavra.
deusa
do amor feliz.

2 Comentários:

Blogger hora tardia disse...

uma estrutura de música.


um tempo à deriva.


e as palavras. que o tempo solta.
no vento.
_________________.

20 setembro, 2007 23:47  
Blogger un dress disse...

...tão.tempo

tão.tanto...

21 setembro, 2007 19:20  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial