23 abril, 2011

este espaço, este silêncio, estes passos sem (a)deus

Por vezes digo: tentemos ser alegres,
e parece-me prudência a minha,
tão escavada é agora a deserta medida
à qual foi prometido o grão.

Por vezes digo: tentemos ser graves,
não se diga nunca que jorra para mim
sangue de vitelo gordo:
e ainda me parece prudência a minha.

Mas mesmo sem culpa a quem assim enche
de hipóteses o deserto,
de imagens a noite escura, alma minha,
a este será dito: tiveste o que era teu.






poema sem título de Cristina Campo
em "O Passo do Adeus" (ed. Assírio & Alvim,
tradução de José Tolentino Mendonça)



0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial