04 junho, 2009

definição do nada

por Francisco Brines



Não se trata de um vazio, que é carência
nem do reverso da luz;
pois tudo o que nega constitui.
Tão-pouco do silêncio, que embora não seja supressão,
difunde numa infinidade uma natureza extensa.
Porque falamos desde este fiel engano da ficção da palavra
podemos enunciar esta pausa solene:
não se trata da existência certa do conceito de Deus como Impossível.
Nem sequer é tão-pouco a prévia negação de alguma insuficiência.

Pensais que ele é um frio, mas essa é a vossa carne.
Nada nega e afirma sua firme coerência.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial