13 maio, 2009

Diz-me, silêncio, em ruídos permanentes

singelamente confusos primitivos —
que mão estender à voz que ouvida não
fala comigo ou com ninguém, silente:
Devo tocar como quem chama e pede?
Ou agarrar o que não fala ainda
senão por gestos quase imperceptíveis?
Esperarei perguntas sem resposta?
Responderei perguntas não faladas?
Diz-me, silêncio, em ruídos de que és feito,
como entender-te quando és corpo humano.






de Jorge de Sena,
retirado de Poesia-III, edições 70

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial