10 março, 2009

divinos até na blogosfera

A propósito de uns sinais algo estranhos deixados pelo meu amigo 
Moloi, deixei-me perder ontem, horas a fio, pelo blogue do Caetano 
Veloso. Não foi a primeira vez que tal me aconteceu; aliás, é meu
costume também, de vez em quando, fazer demoradas incursões no 
blogue do Tom Zé. Ali me enlevo com a sua genuidade e o seu vigoroso 
bom-humor. Curiosamente linkei-os ao mesmo tempo há uns poucos 
meses, quando a propósito de uma entrevista dada pelo segundo, 
ficaram um pouquito de candeias às avessas...

Dois músicos que eu tanto amo e que são também escritores notáveis. 
Eu o sabia já pela leitura dos seus livros — e todos o sabemos pelas 
suas mais geniais canções! —, mas é de realçar também, para além da 
evidente qualidade literária, a abertura de espiríto, a incansável busca 
criativa, a postura cívica, as reflexões políticas, a permanente interro-
gação das coisas do mundo, até mesmo a humildade com que vão 
alimentando, muito assiduamente, esses seus espaços abertos aos 
outros. 
É admirável a forma como se desvelam e se entregam ao diálogo
efectivo com os seus inúmeros fãs e até com o seus, por vezes nada 
amigáveis, detractores. Como não se isolam do mundo numa redoma 
fantasiosa e falaciosa, o que a muitos acontece. Como terrenamente 
assumem os seus gostos e os seus gestos, os amores e os desencantos, 
as glórias e as fraquezas. Deuses que não enganam, que são homens 
como outros quaisquer.
Não haverá nada assim parecido, quanto ao universo musical diz
respeito, no nosso luso e envergonhado recanto...

E nessas horas, afinal ganhas, as coisas que por lá descobri!
Primeiro, que Caetano parece ter um novo disco quase a sair, com um 
título um tanto estranho....
Segundo, que parece ter descoberto agora a Lula Pena que tanto adoro 
e que, imerecidamente, é ainda muito pouco conhecida.
Terceiro, que o David Byrne e a Cindy Sherman formam um casal, facto 
porventura com barbas mas que eu desconhecia por completo. 
Pensei logo no Lou Reed e na Laurie Anderson... Que admirável mundo 
esse, o de Nova Iorque! Cupido parece divertir-se à brava por lá!
E por último, o mais incrível mas não tão estranho assim... 
Quem foi que quis passar propositadamente este Carnaval em Salvador, 
só para conhecer a bela Daniela Mercury?
Nem mais nem menos que a famosa ensaísta norte-americana 
Camille Paglia, que a descobriu num dvd e assim parece ter 
encontrado a nova "Madonna", agora numa doce versão tropical...




4 Comentários:

OpenID springhasasister disse...

nada a ver, mas se tiveres tempo dá um saltinho pela expo da carla cruz no porto, é uma artista que promete... www.plumba.info

11 março, 2009 00:40  
Blogger francisco carvalho disse...

Obrigado, Miss Spring!
Darei, com toda a certeza. Vou já investigar...
;)

11 março, 2009 00:51  
Anonymous moloi cid barretto disse...

tem tudo a ver, Caetano apenas promete...

11 março, 2009 12:15  
Anonymous o fim segundo patricia disse...

25/01/2009 - 01h40
PUBLIFOLHA: Conheça a obra de Karl Marx e sua influência no mundo moderno; leia capítulo
da Folha Online

Além da barba longa e grisalha, é incomum imaginar que o pensador alemão Karl Marx (1818-1883) guarde qualquer outra semelhança com o alquimista francês Nostradamus (1503-1566), conhecido por sua suposta capacidade de vidência. Mas, se o francês entrou para a história como um adivinho místico, o verdadeiro "profeta barbado" para "assuntos terrenos" parece mesmo ser o ateu convicto Karl Marx.

Reprodução

Livro explica a obra de Marx, seus principais conceitos e "profecias"
"O poder de previsão de Marx foi tão grande que o mundo em que vivemos acabou se tornando demasiado semelhante ao das tendências descritas por sua obra", afirma o professor de Teoria da História da USP Jorge Grespan. Ele é autor de "Karl Marx", novo volume da série Folha Explica, no qual apresenta e analisa de forma sintética as principais idéias da obra do autor --incluindo, claro, suas "profecias".

Entenda a crise econômica pela ótica de Karl Marx
"O surgimento dos conglomerados financeiros e industriais; a irradiação da forma de mercadoria a quase todos os produtos e relações sociais; o predomínio crescente da especulação financeira sobre a criação de valores efetivos --tudo isso está em "O Capital", diz Grespan na introdução do livro, que pode ser lida abaixo.

Para o autor, uma das mais importantes colaborações da obra de Marx é "desmascarar" a noção de que o capitalismo e sua dinâmica social, de simultâneo progresso e destruição, sejam "naturais". "Marx não nega os fenômenos do mercado, das decisões individuais, da liberdade de movimento dos agentes econômicos; mas também não aceita que tais fenômenos sejam simplesmente dados naturais".

Ao explicar Marx e seus conceitos --de alienação, mercadoria, capital, a perspectiva dialética do capitalismo, o fetichismo, a ideologia, a crise e a revolução-- Grespan faz entender o dinheiro, o capitalismo e as relações sociais. O livro traz ainda uma cronologia sintética dos principais eventos da vida de Karl Marx e bibliografia das principais obras de Marx e sobre Marx publicadas em português.

Leia abaixo a introdução de "Karl Marx".

*
INTRODUÇÃO: UMA TEORIA CRÍTICA DA SOCIEDADE

Explicar o pensamento de Karl Marx (1818-83) não parece ser, à primeira vista, algo muito difícil. Afinal, ele queria ser entendido. Fazia parte de sua teoria que ela pudesse cooperar na transformação das condições da sociedade capitalista, sendo assimilada, discutida e posta em prática já pelos operários do seu tempo.

Por outro lado, seu poder de previsão demonstrou ser tão grande que o mundo em que hoje vivemos acabou se tornando demasiado semelhante ao das tendências descritas por Marx. O surgimento dos enormes conglomerados financeiros e industriais, invertendo a lógica da concorrência do século 19; o processo gradativo de substituição de mão-de-obra por máquinas cada vez mais sofisticadas; a irradiação da forma de mercadoria a quase todos os produtos e relações sociais; as crises econômicas; a política como manifestação de conflitos sociais distributivos; o predomínio crescente da especulação financeira sobre a criação de valores efetivos, com a conseqüente projeção para um futuro incerto de todos os preços e expectativas - tudo isso está em O Capital como tendência resultante dos processos então observados.

Explicar a obra de Marx, portanto, é tarefa que parece esbarrar no lugar-comum de situações consideradas hoje normais, a tal ponto que dispensam explicações.

Mas desmascarar esta normalidade, isto é, o modo com que condições sociais historicamente específicas se apresentam como eternas e naturais, é justamente um dos objetivos centrais de tal obra. Mais do que descritiva e explicativa, ela é uma teoria crítica da sociedade atual, descobrindo a correlação profunda entre as dimensões positiva e negativa de sua realidade. Inspira-se para tanto na dialética de Georg Hegel (1770-1831), cujo caráter idealista condena, conservando o que chamará de "núcleo racional".

Em poucas palavras: a dialética reproduz o movimento contraditório pelo qual algo se apresenta como o inverso do que é. Em sua versão hegeliana, de acordo com Marx, a dialética revelaria que, por trás da aparente diversidade das coisas, se oculta o oposto, a unidade essencial do mundo - descoberta de enorme poder consolador.

Na versão materialista de Marx, porém, a dialética mesma é invertida, e tem a função crítica de revelar a desigualdade social na base da igualdade de todos perante a lei, característica da sociedade civil moderna. A partir daí, é possível entender as decorrentes estratégias de inversão e de encobrimento pelas quais as relações sociais decisivas criam toda uma outra camada de realidade, com relações sociais opostas às da camada primeira. Assim, o implacável vínculo existente entre os indivíduos é de tal ordem que se manifesta como independência mútua desses indivíduos, como se entre eles o vínculo fosse tênue. Donde decorrem a sensação de liberdade e o individualismo exacerbado.

A igualdade, portanto, é determinada pela desigualdade; a liberdade individual, pelo nexo inexorável de relações de mercado. E tudo isso aparece como algo natural, que sempre foi e será como agora, para o que não há alternativa.

Mas esta normalização de condições muito específicas, esta naturalização de situações históricas, diz Marx, não é uma mera ilusão de ótica, e sim também resultado da maneira com que a sociedade capitalista se estrutura.

Com o conceito de "fetichismo", ele fornece uma explicação extremamente rica e fértil para tais processos, seguida e desenvolvida por importantes vertentes filosóficas e sociológicas do século 20.

A crítica social, por outro lado, tem como contrapartida a da sua teorização pelos economistas. Dedicado desde a juventude ao estudo da Economia Política, disciplina fundada no século 17, na Inglaterra das revoluções burguesas, Marx aqui contou com o estímulo e a colaboração de seu grande amigo Friedrich Engels (1820-95). Juntos escreveram vários textos; e na maturidade Engels continuou ajudando Marx em alguns pontos da grande obra sobre a economia moderna que este preparou durante longos anos. Tratava-se de apontar, nas lacunas teóricas das obras dos economistas, a atuação da realidade social mesma que eles explicavam sempre só parcialmente.

É que os processos mencionados acima produziam até no plano do pensamento uma visão individualista e naturalizada da economia dita de mercado.

A constatação de que esta visão não se enfraqueceu hoje em dia - ao contrário, tornou-se quase hegemônica - permite avaliar o quanto a crítica de Marx ganhou atualidade. Ela não nega os fenômenos do mercado, das decisões individuais, da liberdade de movimento dos agentes econômicos; mas também não aceita que tais fenômenos sejam simplesmente dados naturais, e procura revelar sua origem em uma camada da sociabilidade que se oculta neles como seu avesso.

Com isso, Marx obtém uma perspectiva muito mais abrangente e adequada da dinâmica social capitalista, de simultâneo progresso e destruição. De fato, já o Manifesto Comunista (de 1848) faz o diagnóstico eloqüente do tempo instituído pelo capital: "Essa subversão contínua da produção, esse abalo constante de todo o sistema social, essa agitação permanente e essa falta de segurança distinguem a época burguesa de todas as precedentes. Dissolvem-se todas as relações sociais antigas e cristalizadas, com seu cortejo de concepções e de idéias secularmente veneradas; as relações que as substituem tornam-se antiquadas antes de se consolidarem. Tudo o que era sólido e estável se desmancha no ar, tudo o que era sagrado é profanado".

Os capítulos a seguir procurarão desenvolver essas questões, apresentando a crítica de Marx desde o conceito de "alienação", elaborado ainda em sua juventude. Apesar do quase inevitável começo pelo começo, a abordagem não se conduzirá pelo fio condutor da biografia intelectual do autor, mas por um ordenamento de idéias, mais significativo para a compreensão do que interessa. A perspectiva dialética do capitalismo aí aparecerá pelos conceitos de fetichismo, ideologia, crise e revolução.

"Folha Explica - Karl Marx"
Autor: Jorge Grespan
Editora: Publifolha
Páginas: 96
Quanto: R$ 18,90
Onde comprar: nas principais livrarias, pelo telefone 0800-140090 ou pelo site da Publifolha

Leia mais

11 março, 2009 13:01  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial