17 junho, 2008

"Todo Deus não é mais que um Zeus"

um poema de Paulo Luiz Barata


Por ver o sagrado nas plantas,
e não na figura de Cristo,
Queimado fui à morte
em ardente chama.

Hoje namoro esta árvore do Porto
e ninguém reclama.

4 Comentários:

Blogger MOLOI LORASAI disse...

felizmente o apurado sentido estético do Francisco, segundo as palavras de Isabel Mendes Ferreira, não enquadrou o assim chamado poema de Paulo Luiz Barata dentro de uma foto na rotunda da Boavista.

O apurado sentido estético do Francisco foi forjado dentro de um páteo de fábrica do Porto. Este é outro mistério que poucos reparam.

17 junho, 2008 09:56  
Anonymous paulo austero disse...

O Moloi Lorasai pensa que sabe o que diz, apenas pensa.
O que tem a ver páteo de fábrica com forjar o sentido estético?

17 junho, 2008 12:34  
Anonymous paulo austero disse...

como é suposto ninguém fazer comentários acrescento que a primeira parte da TRILOGIA DE NOVA YORQUE não é mole não.

18 junho, 2008 09:20  
Blogger isabel mendes ferreira disse...

(e Zeus investe.se da mais fina ironia).



e subscrevo-me. mesmo. porque acho mesmo que o F. tem um apurado sentido estético!

assim como o Paulo Luiz....que se apura no "avesso" do comum.


beijo.OS.

20 junho, 2008 11:05  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial