04 outubro, 2007

muito gosto eu de Dacosta



Não descobri terras
Não fundei cidades
Não tive cavalos nem pagens
Não fui amigo do rei
Não pelejei em África
Não fui pirata
Não conquistei o Peru
Não raptei freiras
Não fui à Índia
Não me cobri de glória
Não tive estátuas

O que de mim sei
Encalhou no tempo



poema de António Dacosta, em "A Cal dos Muros"

6 Comentários:

Blogger hfm disse...

Gostei deste encalhado no tempo.

04 outubro, 2007 12:10  
Blogger hora tardia disse...

a pureza da cal.


___________________



cintilante.



___________________.
bom dia.


beijo.

04 outubro, 2007 12:25  
Anonymous Anónimo disse...

e boa noite...:))))



sem tempo. ou melhor em todoo tempo.


beijo.




y.

04 outubro, 2007 21:31  
Blogger Arion disse...

Boa escolha de palavras. Abraço. Bom fim-de-semana!

06 outubro, 2007 02:28  
Blogger Dalaila disse...

Eu descobri este canto muito singular!
não fiz tudo o resto, mas espero voltar!

07 outubro, 2007 19:19  
Blogger francisco carvalho disse...

Um obrigado a dalaila e a arion.
Espero bem que voltem.

Abraços

07 outubro, 2007 23:13  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial