26 maio, 2010

literatura

poema de Manuel António Pina


Literatura incrível esta
que a si própria se escreve
Descobri o movimento perpétuo
mas não saí (ó palavras!) do mesmo sítio

Ociosidade de modo que és minha
— Sem ser este, o silêncio que
pude durou 3 quartos de hora
num quarto cheio de homens perguntando

Nessa altura (em 1965) eu estava
metido naquilo até ao infinito
Agora trabalho um pouco de fora para fora
Com de vez em quando uma palavra demasiada

1 Comentários:

Blogger hfm disse...

Perfeito!

27 maio, 2010 12:18  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial