21 outubro, 2012

um poema de Regina Guimarães

para o Manuel António Pina 


é certo que por vezes conversando
lutavas contra luas e olhos baços
semi-cerravas dextras as palavras tuas
como se nos morresses aos poucos
de temor e de ternura
inexplicadas

 porém acostumados ao vaivém do luto
que os teus poemas acendiam
nas duas extremas do corredor
e em todas as portas do labirinto
ficamos sem saber quem se cansou
da fadiga que te trazia
violentamente inalterado
à nossa presença

pudera eu escrever
com a tinta do frio nas costas
e directamente sobre o tampo polido
de uma mesa do café onde esperar
esse tempo amigo que tu eras
passado a limpo

 mas haja noite
 haja mais noite
e nós crianças
 em perda de sono
envelhecendo cada um na sua voz





 Regina Guimarães a 19 de Outubro de 2012

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial