30 novembro, 2011

terra materna

de Anna Akhmátova


Não a trazemos ao peito como amuleto,
não soluçamos para ela em verso sentido,
ela não perturba o nosso sonho amargo,
ela não nos parece o éden prometido.
Na nossa alma ela não se molda
em objecto de compra e de venda,
nunca nos lembramos dela na hora
miserável e muda e doente.

Sim, ela é para nós lama nas botas,
sim, terra nos dentes esmigalhada.
E mais amassamos, mais remoemos
este pó que não tem culpa de nada.

Mas nela nos deitamos, nela nos tornamos,
por isso, com direito, nossa, lhe chamamos.

1 Comentários:

Blogger jorge vicente disse...

absolutamente magnífico este Poema!!!!

um abraço sintrense!
jorge vicente

06 dezembro, 2011 12:59  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial