24 fevereiro, 2009

samba-canção

de Ana Cristina César


Tantos poemas que perdi.
Tantos que ouvi, de graça,
pelo telefone — taí,
eu fiz tudo pra você gostar,
fui mulher vulgar,
meia-bruxa, meia-fera,
risinho modernista
arranhado na garganta,
malandra, bicha,
bem viada, vândala,
talvez maquiavélica,
e um dia emburrei-me,
vali-me de mesuras
(era uma estratégia),
fiz comércio, avara,
embora um pouco burra,
porque inteligente me punha
logo rubra, ou ao contrário, cara
pálida que desconhece
o próprio cor-de-rosa,
e tantas fiz, talvez
querendo a glória, a outra
cena à luz de spots,
talvez apenas teu carinho,
mas tantas, tantas fiz...

3 Comentários:

Anonymous moloi cid barretto disse...

QUEM é A.C.C.?

25 fevereiro, 2009 17:22  
Blogger francisco carvalho disse...

Alguém que me deste a conhecer... Poderás, portanto, talvez, responder melhor a essa pergunta...

25 fevereiro, 2009 19:04  
Anonymous moloi cid barretto disse...

talvez...alguém que estudou literatura na PUC...e ao mesmo tempo transgrediu de verdade e como Florbela, se suicidou. penso que a transgressão em A.C.C. não é um simulacro. o seu suicídio é óbvio que não. O Francis não colocou o selo do meu compatriota do Rio Grande do Sul.

25 fevereiro, 2009 21:37  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial