29 dezembro, 2008

um poema de Antonio Gamoneda

retirado do "Livro do Frio" (edição da Assírio & Alvim 
com tradução de José Bento)

Pranto na lucidez, verdades côncavas:
"Não vale nada a vida, /a vida não vale nada."
Recordai esta canção antes de olhar meus olhos;
olhai meus olhos no instante da neve.

1 Comentários:

Blogger ~pi disse...

mais-que-per-feito





~

30 dezembro, 2008 11:50  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial