04 abril, 2006

coração ventoso

as palavras passam ao largo do meu corpo.
passam como peixes de mares exóticos
em documentários de televisão.
passam como títulos de jornais.
como vozes em zaragatas de autocarro.
passam sujas, anódinas, anónimas.
passam absurdas, indecifráveis, deléveis.
passam, sobretudo, rápido.

passam como estrelas cadentes.
como distantes cometas.
feixes de pulsões eróticas.
acometimentos.
passeiam-se como memórias de sonhos.
sempre me ultrapassam.
não chegam a aquietar-se.
a pairar como eternas nuvens.
nunca me chegam as palavras.
nunca chovem.
passam.
meramente passam.
tudo levam.
meu ventoso coração.

3 Comentários:

Blogger hfm disse...

Gostei de ler. Muito.

04 abril, 2006 11:11  
Blogger MOLOI LORASAI disse...

podemos considerar (moloi by moloi) o primeiro poema da idade adulta de Francisco.

04 abril, 2006 12:29  
Blogger feniana disse...

é impossível não gostar. das tuas palavras. postas assim. para nós, que te lemos.

e é tão bom ler-te.

05 abril, 2006 14:27  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial